[Artigo] Sancionar o Pauper na vida real?

Apoie a Blacker Lotus, não use Ad Block e acesse os anúncios que lhe interessar!
capa sancionar pauper

Olá pessoal, depois de conversar bastante com diferentes jogadores, eu resolvi escrever esse texto, muito dele com base em argumentos que estas pessoas defendem sobre o ganho do Magic com um possível suporte da Wizards para sancionar o formato pauper na vida real. Eu nunca vi nenhum posicionamento ou artigo comentando sobre esta possibilidade de sancionar o formato, até porque este fora inicialmente criado em função do MOL, mas muitos jogadores defendem e já se organizam informalmente (sem sancionar) para jogar na vida real (como em Belo Horizonte pelo Thiago Lanza (“the_endbringer” da LigaMagic) e na Overrun Cards & Games em Araraquara).

Primeiramente, darei uma breve (MUITO breve) introdução sobre o que é o Pauper, visando apenas agregar mais jogadores que ainda não conhecem o formato e tornar o texto minimamente acessível para eles também:

“O Pauper é um formato do Magic Online em que todos os cards usados devem ter sido lançados como comum em qualquer edição ou produto do Magic Online.

Exemplo: Counterspell é um card comum na Sétima Edição, existente no MOL, e relançado como incomum na Masters Edition II. Ambas versões podem ser utilizadas no formato Pauper.
Exemplo: Hymn to Tourach também foi lançado como incomum na Masters Edition II e como sua versão comum foi lançada apenas na edição Fallen Empires, não existente no MOL, ele não pode ser utilizado no formato Pauper.” 

Para informações originais e mais completas, consulte o próprio site da Wizards.

A partir desta breve descrição, partirei para o que interessa!

Porque sancionar o pauper na vida real?

1 – Dar uma finalidade para vários cards já existentes e valorizá-los.

A Wizards lança diversas coleções e com elas, vários cards que não tem utilidade nenhuma na maioria dos formatos. Vemos que quando o Commander surgiu como formato sancionado, ele deu vida nova e aplicabilidade para muitas cartas bacanas que haviam se perdido no fundo do baú ao longo do tempo, como Darksteel Ingot, Fellwar Stone, Cataclysm, Hinder, No Mercy, Insurrection, Oracle of Mul Daya, etc.

Wild Mongrel sancionr pauper

Wild Mongrel – Ilustração: Anthony S. Waters.

Com o Pauper, não seria diferente: as cartas comuns de muitas edições que passaram, ou que ainda estão na ativa, veriam jogo novamente (ou talvez pela primeira vez) como Cuombajj Witches, Wild Mongrel, Icatian Javelineers, Sparksmith, etc.

2 – Atrair novos jogadores para o Magic competitivo.

Muitos jogadores gostariam de jogar um formato competitivo, mas não possuem experiência e / ou dinheiro suficiente para isso. No Pauper isso é possível, mais do que no Standard até, pois você tem um formato “eternal” de baixo custo (você pode montar decks com até R$100,00 se souber onde procurar os cards).

Isso possibilita que jogadores iniciantes façam um baixo investimento e possam recuperá-lo ao longo do tempo em campeonatos (gastando pouco em um deck e basta ficar em primeiro lugar em um único campeonato que o jogador recuperaria fácil todo o investimento do deck), muito mais rápido do que qualquer outro formato e a premiação em boosters se torna automaticamente um atrativo ao início competitivo no Standard e Modern.

3 – Aumentar a rentabilidade da Wizards com novos produtos.

A Wizards já mostrou que tem interesse em todo o tipo de mercado que o Magic pode oferecer para ela. Basta ver que eles vendem MUITOS tipos de produtos visando todo tipo de consumidor, como Intro Packs, Fat Packs, Duel Decks, From the Vault, Modern Masters, Commander, Planechase, Archenemy, Premium Deck, Booster Battle Pack, Event Deck, etc.

Criar uma série de produtos visando o Pauper, relançando várias cartas ou vendendo base para decks pre-construidos seria mais uma fonte de renda para a Wizards. Este é, sem sombra de dúvidas, um dos principais fatores para a Wizards sancionar o pauper na vida real.

greed sancionar pauper

Greed – Ilustração: Izzy.

4 – Melhorar a finalidade e qualidade de cartas comuns nos sets.

Muitas cartas comuns que saem a cada set não tem NENHUMA finalidade em NENHUM dos formatos, seja Standard, Modern, Legacy ou até mesmo no Pauper. A partir do momento em que as pessoas passam a buscar por cartas comuns para jogar Pauper na vida real, a Wizards será motivada a melhorar a qualidade destes cards visando o formato.

Resumindo: Ao sancionar o pauper, o que está dentro do booster que você compra valerá mais do que vale atualmente, pois terá uma demanda que hoje não existe, sem que o valor do booster seja aumentado.

5 – Possibilidade de um formato competitivo em que a qualidade do jogador fale mais alto do que o seu poder aquisitivo.

Como o formato gira em torno de cards comuns, de fácil acesso e baixo custo, o nível de competitividade não gira em torno de quem consegue comprar um Tarmogoyf ou um Show and Tell para montar um top deck, mas sim em função de quem pilota melhor um bom deck. Este fato estimula a competitividade, senso crítico e o crescimento dos jogadores, o que a muito tempo tem sido limitado pelo fator econômico que domina o jogo.

6 – Estabelecer regras únicas para o formato na vida real.

Atualmente o formato necessita de regras claras e gerais para se tornar unívoco. Como deveria ser a lista de banidas? Como proceder com Goblin Grenade, Sinkhole, Hymn to Tourach, etc?

Falta uma diretriz maior para unificar ainda mais a comunidade crescente que busca pelo formato e certamente um posicionamento da Wizards é a maneira ideal de fazê-lo. Outro forte ponto provando a necessidade urgente de sancionar o formato pauper.

Goblin Grenade sancionar pauper

Goblin Grenade – Ilustração: Kev Walker.


O que os jogadores podem fazer a respeito?

Esta é a parte mais difícil e que necessita de maior mobilização. Acredito que só um conjunto de ações poderia chamar a atenção da Wizards, como criar uma petição contendo um texto bem construído e buscar pelo apoio de jogadores do mundo todo. No momento eu acho difícil que isso ocorra, pois os jogadores / lojistas com este interesse ainda estão muito desarticulados e com dificuldades para tal iniciativa.

Quem sabe no futuro o isso ocorra, seja sancionar o Pauper por iniciativa dos jogadores ou pela própria Wizards, e só o tempo poderá dizer quais serão os rumos do formato!

Espero que tenham gostado do texto e até a próxima!

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Hugo Henrique disse:

    Sinceramente eu acho um erro esse uso de goblin granade e etc no pauper irl, tem que seguir o mol a risca ou vai criar uma disparidade com o já existente. Quem mexeu no pauper pra usar essas cartas só fez complicar a situação…

  2. O problema principal são jogadores metidos a besta que só jogam ou standard ou modern e ficam de papinho furado que pauper é “formato de criancinha”. Se você gosta de Magic gosta dos formatos e possibilidades que o jogo te traz, é ridículo criticar um formato com base no valor das cartas ou dificuldade de encontra-las! Tenho absoluta certeza de que se amanhã pauper virar um formato sancionado com uma coleção desembarcando nas lojas como um modern masters, ia ter muitos desses bocas abertas jogando como se não houve-se amanhã!

  3. Rodolfo Rodrigues disse:

    Pauper Foi criado no mol? … parei de ler.

  4. Daniel Werneck disse:

    A questão sobre sancionar o Pauper, é podermos usar cartas comuns em séries que não saíram no MOL , como o Kird Ape, que é uma carta comum de Arabian Nights , e entra de modo balanceado no meta game e trazendo um conjunto de cores que hoje não tem presença no meta game ( Verde + Vermelho ). Assim para isso , tendo o formato sancionado teríamos um meta game mais rico e diversificado, e poderíamos ter uma lista de banidas mais ampla para retirar as cartas dessas séries que trazem o desbalanceamento ( hymn to Tourach, Sink Hole e goblin grande só para citar algumas como exemplo )

  5. Murilo Mazza disse:

    o que a Wizards ganha com o Pauper? … Eles ganham dinheiro vendendo boosters, e vc compra os boosters só porque precisa das raras e míticas, se não precisasse delas vc nem compraria booster, ganha as comuns de quem tem um monte sobrando e não vai usar. Imagina a Wizards promover um “Pro Tour Pauper” em uma temporada em vez de um “Pro Tour Standard”, que falência pra empresa? rs… não estou indo contra o formato. O Pauper reforça a força que a marca Magic tem sem eles sequer tocarem a mão nisso! Só acho que eles estão muito felizes permitindo o formato em FNMs e em eventos casuais, e não estão muito interessados em incentivar formalmente algo que não visa lucro.

    • Jeffley Mills disse:

      Primeiro o que se gasta para fazer um pro tour de standart não seria o mesmo para o pauper em questão de premiação pois em relação a infraestrutura eles nem gastam tanto. Outro se você jogador como eu, que não gasta 600 reais em uma unica carta, vê a oportunidade de montar um deck, não só para se divertir mas para competir por 600 reais você acha que aumentaria ou não ? a quantidade de pessoas interessadas em magic o que por ventura aumentaria a venda de booster ,box e outros pois não é por que vai ter pro tour de pauper que todo mundo vai joga só pauper, o standart te limita a cards de edições mais recentes nem por isso pessoas param de jogar Modern que um deck pode chegar a 4 mil reais. O pauper seria realmente um ótimo formato e mais competitivo na minha opinião, porque : ele te limita a uma gama de cards que muitas dessas, não tem efeitos que podem mudar o jogo e outra ele não depende por exemplo de você ter ou não um goyf no deck ou uma carta que desequilibra o jogo. Mas o que você escreveu é um fato ”não estão muito interessados em incentivar formalmente algo que não visa lucro”. Mesmo assim continuo a pensar que o sancionamento desse formato poderia aumentar o lucro ou pelo menos não dar prejuízo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *