Decks Rogue no Legacy

Apoie a Blacker Lotus, não use Ad Block e acesse os anúncios que lhe interessar!

Fala galera, beleza?! Aqui é o Guilherme Oliveira (duelistaguara) novamente e dessa vez lhes trago um artigo sobre os decks rogue que encontramos no formato e sobre as suas peculiaridades.

Definição de Decks Rogue:

Primeiramente, gostaria de definir o conceito de “deck rogue”, embora seja uma expressão já bem conhecida pela comunidade de Magic: The Gathering. Um deck é considerado rogue quando ele se diferencia do metagame posto em um determinado formato. Essa diferenciação, obviamente, deve ser de tal modo que altere completamente a estrutura do deck e não apenas algumas mudanças pontuais (por exemplo, usar Path to Exile em vez de Swords to Plowshares em um Death and Taxes, por si só, não torna o seu deck rogue). Assim, podemos concluir também que um deck rogue é um deck que não se prende às listas padronizadas que usualmente encontramos nos campeonatos de nível competitivo.

É importante frisar também que um deck, em tese, deixa de ser rogue quando passa a fazer resultados seguidos e inspira novos jogadores a copiarem ou adaptarem a lista inicial, fazendo com que o deck se torne parte do metagame do formato.

Feitos esses apontamentos iniciais, podemos focar nos decks rogue dentro do formato Legacy. Devido à sua própria natureza (eternal) o Legacy, em tese, é provavelmente o formato que abre o maior leque de possibilidades de criação e alteração de decks, fomentando assim o surgimento de decks rogue. Entretanto, há dois lados da mesma moeda, pois o fato de ser eternal e o alto power level das cartas existentes no formato também inibem, de certo modo, as tentativas de inovar, uma vez que eventuais fraquezas dos decks serão punidas como em nenhum outro formato (exceto no Vintage talvez…).

Apesar destes contrapontos apresentados, o Legacy tem sim recebido a adição de decks rogue, sendo que alguns dos quais vieram até a fazer bons resultados. Vamos citar alguns exemplos pontuais:

Deck Rougue: Bomberman

Terrenos (20)
Plains
Scalding Tarn
Volcanic Island
Island
Misty Rainforest
Polluted Delta
Tundra
Cavern of Souls
Flooded Strand

Criaturas (11)
Meddling Mage
Auriok Salvagers
Monastery Mentor
Trinket Mage

Mágicas Instantâneas e Feitiços (17)
Dig Through Time
Force of Will
Swords to Plowshares
Brainstorm
Ponder

Outras Mágicas (13)
Counterbalance
Aether Spellbomb
Pyrite Spellbomb
Engineered Explosives
Lion’s Eye Diamond
Sensei’s Divining Top
Sideboard (15)
Pithing Needle
Meekstone
Containment Priest
Pyroblast
Force of Will
Flusterstorm
Magus of the Moon
Terminus
Vendilion Clique
War Priest of Thune

 

Este é um deck que usa a velha mecânica Counterbalance + Sensei’s Diving Top para controlar o jogo, mas utiliza também as nostálgicas magibombas e criaturas que interagem com as mesmas.

 

Deck Rougue: Skilled Maniac

Terrenos (20)
Tundra
City of Traitors
Flooded Strand
Ancient Tomb
Polluted Delta
Island

Criaturas (9)
Griselbrand
Kiki-Jiki, Mirror Breaker
Laboratory Maniac
Skill Borrower

Mágicas Instantâneas e Feitiços (23)
Spell Pierce
Long-Term Plans
Misdirection
Brainstorm
Force of Will
Terminus
Gitaxian Probe
Ponder

Outras Mágicas (8)
Thought Lash
Sensei’s Divining Top
Sideboard (15)
Defense Grid
Ratchet Bomb
Culling Scales
Grafdigger’s Cage
Pithing Needle
Energy Flux
Surgical Extraction

 

Esse por sua vez é um combo que finaliza o jogo utilizando o Laboraty Maniac em conjunto com Thought Lash.

 

Deck Rougue: Angel Stompy

Terrenos: (20)
City of Traitors
Ancient Tomb
Cavern of Souls
11 Plains

Criaturas (24)
Aven Mindcensor
Baneslayer Angel
Fiend Hunter
Exalted Angel
Phyrexian Revoker
Blade Splicer
Restoration Angel
Thalia, Guardian of Thraben

Outras Mágicas (16)
Banishing Light
Spirit of the Labyrinth
Suppression Field
Lotus Petal
Chrome Mox
Chalice of the Void
Sideboard (15)
Phyrexian Revoker
Ethersworn Canonist
Rest in Peace
Celestial Flare
Banishing Light
Armageddon
Wilt-Leaf Liege
Absolute Law

 

Esse deck, em verdade, é um White Winnie (com anjos) e que usa o lock Ancient Tomb/City of Traitors + Chalice of the Void, para travar o jogo do oponente no começo do jogo e agredir com suas criaturas brancas.

 

Deck Rougue: Tax-Rack Control

Terrenos: (21)
Savannah
Horizon Canopy
Karakas
Marsh Flats
Ancient Tomb
Windswept Heath
Plains

Criaturas (3)
Stoneforge Mystic

Mágicas Instantâneas e Feitiços (15)
Enlightened Tutor
Unexpectedly Absent
Swords to Plowshares
Entreat the Angels
Terminus

Outras Mágicas (22)
Humility
Oblivion Ring
Land Tax
Rest in Peace
Elspeth, Knight-Errant
Helm of Obedience
Pithing Needle
Batterskull
Mox Diamond
Scroll Rack
Sensei’s Divining Top
Sideboard (15)
Pithing Needle
Trinisphere
Cataclysm
Ethersworn Canonist
Leyline of Sanctity
Aura of Silence
Ghostly Prison
Porphyry Nodes
Choke

 

Este deck é uma espécie de mono white Miracles, com Land Tax, Rest in Peace, Helm of Obedience, Land Tax e Scroll Rack.

Deck Rougue: Food Chain

Terrenos: (21)
Bayou
Karakas
Underground Sea
Island
Forest
Polluted Delta
Tropical Island
Verdant Catacombs
Misty Rainforest

Criaturas (22)
Coiling Oracle
Tidespout Tyrant
Vendilion Clique
Venser, Shaper Savant
Deathrite Shaman
Misthollow Griffin
Noble Hierarch
Shardless Agent

Mágicas Instantâneas e Feitiços (12)
Misdirection
Brainstorm
Force of Will
Manipulate Fate

Outras Mágicas (5)
Sylvan Library
Food Chain
Sideboard (15)
Ancestral Vision
Flusterstorm
Abrupt Decay
Grafdigger’s Cage
Pithing Needle
Misdirection
Krosan Grip

 

Hoje já é um arquétipo semi-estabelecido e tem feito resultados constantemente. Em suma, é um combo que faz uso de Food Chain e Misthollow Griffin. Achei interessante finalizar com esse deck para mostrar que alguns decks considerados rogue no passado conseguiram vir a se tornar arquétipos amplamente aceitos e usados no formato.

 

Gostaria também de ressaltar alguns pontos sobre os decks rogue, notadamente, suas vantagens e desvantagens, conforme a seguir exposto.

Vantagens:

– Elemento surpresa: Dificilmente algum oponente estará 100% preparado para enfrentar um deck rogue em um campeonato, tornando assim muito mais difícil este saber como agir e até mesmo como sidear;

– Liberdade de criação/alteração: Claro que as listas pré-definidas e utilizadas aceitam alterações de acordo com o ambiente ou estilo do jogador, mas geralmente essas mudanças são bem pontuais, já que o arquétipo já fora exaustivamente testado, então, em suma, boa parte das eventuais mudanças acabam não sendo tão efetivas. Só em um deck realmente rogue o usuário está livre, de fato, para fazer todas as alterações e mudanças que desejar, mas claro que esta liberdade toda se não for acompanhada de testes com o deck, provavelmente acarretará em resultados ruins.

Desvantagens:

– Treinamento: É mais difícil achar oponentes interessados em treinar contra decks rogue, principalmente pela baixa probabilidade de vir a encontra-los em campeonatos. Essa desvantagem pode vir a ser mitigada se você fizer parte de um time, já que seus companheiros provavelmente o ajudariam a testar o deck;

– Fragilidade: Sim, é relativo, óbvio! Mas as listas testadas inúmeras vezes têm a vantagem de possuir uma base de mana e estrutura balanceada, o que talvez não ocorra com o deck rogue. Pode-se mitigar essa desvantagem com muito treino utilizando o deck.

Por fim, gostaria de agradecer a um amigo de time (Paus-Mandados Team) que me inspirou a escrever esse artigo, após fazer Top4 em um SLQ, aqui na cidade de São José dos Campos-SP, no dia 28/02/2015. Trata-se do Benício (Beni) e, claro, vou postar a lista dele pra vocês:

 

Mono “Blues” Delver - Benício (Beni)

Terrenos: (17)
Flooded Strand
Island
Polluted Delta
Wasteland

Criaturas (8)
Delver of Secrets
True-Name Nemesis

Mágicas Instantâneas e Feitiços (29)
Brainstorm
Gitaxian Probe
Ponder
Spell Pierce
Spell Snare
Stifle
Daze
Reality Shift
Force of Will
Dig Through Time

Outras Mágicas (6)
Umezawa’s Jitte
Ensnaring Bridge
Back to Basics
Sideboard (15)
Relic of Progenitus
Spell Pierce
Surgical Extraction
Chill
Ratchet Bomb
Energy Flux

 

É uma lista que o Beni vem trabalhando há algum tempo (já fez vários testes e mudanças) e hoje começou a fazer resultados, demonstrando que as vezes vale muito a pena investir em algo diferente. Criar um deck rogue e conseguir fazer bons resultados com ele não apenas demonstra uma visão de jogo muito abrangente, como também uma dedicação ímpar. Mas temos muitos jogadores no Brasil com esse perfil de deckbuilder (criador de novos decks) e acho que isso deveria ser mais incentivado, sobretudo no Legacy.

Enfim, é isso pessoal. Finalizo o presente artigo e espero que o mesmo seja útil para aqueles com espírito de deckbuilder e que desejam se aventurar na criação e alteração de decks.

Até a próxima!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *